“Agora Portugal leva tudo à frente”

Mai 25, 2017

Os portugueses têm sido os primeiros a experimentar esta sensação de que agora Portugal leva tudo à frente. Depois de vários anos agrilhoados na tristeza e conformados com a inevitabilidade de que aos portugueses nada era permitido.

A vitória no euro (1). A vitória na Eurovisão (2). A vitória na Taça do Mundo de Pares de Ginástica Acrobática (3). O Santo Padre visita Fátima e canoniza Jacinta e Francisco. A indicação de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas, no processo mais transparente de sempre (4).

A presença cada vez mais assídua na imprensa internacional para dar a conhecer os bons resultados da nossa economia, mas principalmente das nossas praias, dos nossos têxteis, sapatos, escritores, arquitetos, maestrinas, escritores, escultores, das nossas lojas, do nosso comércio e de tudo aquilo que transformou Portugal numa referência do Fazer Bem!

Os Velhos do Restelo vinham proclamando aos quatro ventos que todas as melhorias da economia portuguesa se deviam a uma “geringonça” nas estatísticas e que seria muito difícil a Portugal voltar a uma situação de quase normalidade financeira apesar de todos os indicadores darem nota disso mesmo.

A 22 de maio chega a notícia pela qual todos esperávamos. A Comissão Europeia recomenda a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) (5).

Continue a ler

(1) A 10 de Julho de 2016, a selecção portuguesa sagrou-se campeã europeia de futebol.
(2) A 13 de maio de 2017, Salvador Sobral venceu a final do Festival Eurovisão da Canção disputada, em Kiev, na Ucrânia, com a música “Amar pelos dois”.
(3) A 9 de abril de 2017 João Martins (GCP) e Carolina Dias (GCP) venceram a Taça do Mundo de Pares de Ginástica Acrobática, na Bélgica.
(4) A 6 de outubro de 2016, o Conselho de Segurança das Nações Unidas indicou formalmente António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas.
(5)https://ec.europa.eu/info/sites/info/files/2017-european-semester-country-specific-recommendations-commission-recommendations_-_portugal.pdf 

Partilhar