O Ederzito que há em todos nós!

Ago 3, 2016

A Missão Olímpica Portuguesa ao Rio 2016 tem 92 atletas, foram apurados 94 atletas, mas viajam apenas 92, em dezasseis modalidades diferentes, com origem em 13 países distintos.

Ao todo são 18 (cerca de um quinto) os nascidos em países tão distintos como Alemanha, Angola, Brasil, Bulgária, China, Congo, Costa do Marfim, Estados Unidos, França, Guiné-Bissau, Inglaterra, Moldávia, Rússia, São Tomé e Príncipe, Suíça e Ucrânia.

Dos 23 jogadores da Seleção Nacional presentes no Euro 16, 11 tinham dupla nacionalidade.

Para nós – portuguesas e portugueses – a diversidade da origem dos nossos atletas não é nem nunca foi motivo de discussão ou de zanga. Ao contrário do que tem sucedido noutros países onde a polémica se instalou por causa da proveniência dos desportistas.

Ao invés, assumimos esta variedade como parte integrante do nosso ADN.

O multiculturalismo é aquilo que melhor nos caracteriza enquanto povo e que nos empodera enquanto nação.

Senão vejamos: nos últimos meses há cada vez mais cidadãos doutros países a escolherem Portugal para viverem. Fazem-no porque consideram que o multiculturalismo da sociedade portuguesa lhes dá segurança para construírem o futuro em segurança e harmonia.

Ederzito António Macedo Lopes, mais conhecido como Éder, que deu a vitória a Portugal no Euro 16 ficará para sempre na memória de todos nós e fez-nos descobrir emoções que muitos considerávamos desconhecidas. Este jogador luso-guineense, que nasceu na Guiné-Bissau e que cresceu em Portugal, oriundo dum país com presença na CLPL e na CEDEAO, onde o português, o francês e o crioulo se misturam despudoradamente mostrou-nos que é possível ganhar quando se acredita!

Mas este golo que ficou na história do futebol português é um símbolo da multiculturalidade da sociedade portuguesa e seremos todos vencedores se soubermos descobrir o Ederzito que há em cada um de nós!

Cada um de nós transporta uma herança genética multicultural que nos dota de competências sociais e pessoais impares!

Saibamos transformar esta vitória coletiva num triunfo individual ao representar na nossa vida este golo!

Este golo pode ter no nosso imaginário muitas dimensões.

Pela primeira vez desde os primeiros Jogos Olímpicos, realizados em 1896, que haverá uma equipa olímpica de refugiados constituída por com 10 atletas, da Etiópia, da República Democrática do Congo, da Síria e do Sudão do Sul – #TeamRefugees

A 26 de abril Ibrahim Al-Hussein, atleta sírio refugiado em Atenas, iniciou o percurso da Tocha Olímpica até ao Rio de Janeiro. Com este gesto o Comité Olímpico pretende que cada um de nós quando vibrar com as exibições olímpicas dos cerca de 10.500 atletas presentes no Rio possa fazer surgir o Ederzito que há em cada um de nós!

Os Jogos Olímpicos começam no dia 5 e terminam a 21 de agosto. Até lá ainda tem tempo para subscrever a petição #ComOsRefugiados, que se iniciou a propósito da celebração a 20 de junho do Dia Mundial do Refugiado e que será entregue a 19 de setembro na Assembleia-geral da ONU e que pede aos governos que garantam educação para as crianças, segurança para as famílias e trabalho para todos os refugiados.

Mostre o Ederzito que há em si! Participe! Seja parte da mudança no mundo!

Partilhar